FANDOM


Democracia, burrice, ignorância e maldade - os vícios do sistema democrático e o direito de ser idiota, parte II

Segundo Albert Camus, “só há um problema filosófico verdadeiramente sério: o suicídio". Aproveito-me de sua técnica pra apontar o problema que considero fundamental acerca da democracia: sua convivência inevitável com a ignorância, a burrice e a maldade.

Dito de outra forma, tenho que a ignorância do homem (em especial do chamado "homem médio") tende a colocar todo o processo democrático a perder. Ignorante aqui especialmente acerca de sua própria concepção de mundo (normalmente nada além de um embaralhado de opiniões casuísticas acerca de assuntos do dia-a-dia, e que não subsistem a uma análise mais aprofundada sobre as efetivas razões que as sustentam - exemplo do indivíduo que defende o direito ao aborto porque achou que a argumentação de um determinado entrevistado da TV "fazia sentido", ao mesmo tempo em que combate os direitos dos homossexuais porque achou que uma outra argumentação de outro entrevistado, em outra circunstância qualquer, também "fazia sentido" - nesse ponto, arrogo-me no direito de não ser científico para apostar que cerca de 90% de nossos cidadãos usam métodos do tipo pra formar suas chamadas "convicções"). Essa ignorância em relação aos valores que fundamentam determinados posicionamentos ou que fundamentam sua própria posição pode ocasionar opiniões diferentes em relação a assuntos por ele considerados como independentes, mas que de fato estão baseados em princípios que exigiriam (caso houvesse compromisso com certa coerência de posições) uma ligação necessária entre si. Assim, sem compromisso com uma agenda de ideias bem definidas ou coerentemente elaboradas com base em princípios norteadores (normalmente vinculadas a correntes de pensamento mais ou menos já estabelecidas no espectro ideológico), mas em nome da pretensa "autonomia" de defender ideias descoladas de um linha argumentativa coerente (comprometido apenas em relação ao que acredita "fazer sentido"), este indivíduo oscila nas votações entre os mais diversos candidatos dispostos nos mais diversos contextos, votando com base em critérios obscuros que em nada contribuem para o processo ou da discussão democrática (pois geralmente votam em espectros do que eles "acham" que aquele candidato ou partido representa, sendo normalmente manipuláveis pelas "impressões", mais então do que pela verdadeira convicção). Referido indivíduo, sem conhecer que se vincula a uma ideologia específica, ligado a um certo "autonomismo" comprometido apenas consigo mesmo (de forma ineficiente, grande parte das vezes) e com o que considera "fazer sentido" em um cenário específico (independente de um contexto principiológico maior), está de fato vinculado a uma ideologia espontaneísta - confiante demais no próprio senso comum - que ao invés de ser radicalmente combatida, acaba sendo disputada pelos políticos mediante as mais diversas técnicas. Da mesma forma mas em sentido diverso, temos os que acreditam professar determinada ideologia constante no espectro, ou um partido que a representaria, com base em uma ideia nebulosa ou mesmo equivocada acerca desta, sendo na prática um defensor de uma corrente que lhe é ideologicamente oposta (com a qual imagina não simpatizar também por conta de uma imagem equivocada a seu respeito). Assim, defende e ataca espectros do que equivocadamente acredita representar referidas ideologias, votando assim, sem saber, contra seus próprios valores tradicionalmente defendidos na prática, comprometendo mais uma vez o processo de escolha democrática (e este pode ser o mote que nos remete ao próximo ponto).

Assim, temos que outro grande aliado da ignorância manifestada no processo democrático seja a burrice. Neste caso, há a negação em si da lógica racional inerente ao processo democrático (que manda serem escolhidos aqueles que representam nossos reais interesses) e que embasa de forma eficiente qualquer decisão de forma responsável. Dessa forma, torna-se impossível mesmo a demonstração de equívocos do eleitor, uma vez que não há compromisso sequer com um raciocínio capaz de possibilitar a demonstração de um possível equívoco. Acredito que ocorra em menor grau que a ignorância, mas é uma variável que não se deve descartar (um exemplo possível seria o de um vendedor ambulante que vota em alguém comprometido exatamente com o combate ao comércio ambulante ou de um conservador que vota no PT e que depois fica indignado por eles aprovarem políticas de cotas, redução de penas e outras medidas liberais que constam em seu programa desde os anos 80). Mas talvez o maior prejuízo atribuível à incapacidade de raciocínio decorrente de referido vício seja a impossibilidade mesmo de entender os pressupostos que sustentam o regime democrático, arriscando-se assim sua própria sobrevivência (além do inevitável comprometimento dos processos de argumentação e contra-argumentação, fundamentais ao entendimento democrático). A principal aliança entre burrice e ignorância talvez seja a falta de qualquer vontade de superá-las (seja achando-se entendido o bastante pra corresponder à sua condição de cidadão ou achando que não tem qualquer obrigação de melhor se preparar a esse respeito - mas isso acaba guardando relação também com o próximo ponto).

Há, então, por fim, a maldade - mas essa, por carecer de critérios claros de definição, fica mais difícil de mensurar. Há, sem dúvida, os que defendem políticas de extermínio em geral ou discursos de ódio, racismo e superioridade os mais diversos, e que usam das liberdades democráticas para tentar fazer prevalecer esse tipo de prática. Nesse sentido, então, pode-se aproveitar o ensejo pra falar de uma outra prática talvez nociva que pode ser usada dessa forma (ainda que, por enquanto seja uma possibilidade meramente teórica) e tem a ver com outro direito reivindicado: o direito de ser idiota, já mencionado noutras oportunidades. Ora, o indivíduo, utilizando-se de uma possível prerrogativa de ser um "idiota", pode, unindo-se a outros tantos com o mesmo compromisso, votar simplesmente no pior candidato, com o único intuito de prejudicar o processo democrático. Usando exemplos mais práticos, tem-se na liberdade de ser idiota o direito de votar em quem quer que seja, sem compromisso com ideologias ou correntes de pensamento, simplesmente pelo motivo que quiser, sem ter que prestar contas a ninguém sobre isso. Nesse ponto de vista, o direito de ser idiota pode ser um dos grandes males no sistema democrático, porque indetectável e não sujeito a um combate eficiente. Afinal, não há lei possível de aprovação que impeça um idiota de votar.

Antes de encerrar, acredito que seja possível ainda incluir no campo da maldade ou má-fé todos aqueles detentores de grande poder político (derivado normalmente do poder econômico) que manipulam o processo político a seu favor. Esses, talvez, os maiores inimigos de fato da democracia, normalmente manifestados em torno da aliança poder econômico-mídia-poder político, alicerçados grandemente nas mazelas indicadas anteriormente.

Esses, a meu ver, os principais entraves, difíceis de contornar, para a efetiva eficiência do sistema democrático. Apesar de tudo, tenho a democracia como o melhor sistema de todos. Por isso a necessidade de que nos empenhemos em entendê-la (coisa que poucos na verdade o fazem), para que um dia consigamos colocá-la verdadeiramente em prática.


VoltarEditar

voltar para Meus textos

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória