FANDOM




Fernando Lugo, uma historia de fracassos após fracassos na vida religiosa, e agora como politico sofreu impeachment

 

[...] Foi ordenado sacerdote em 1977, transferiu-se para o Equador como missionário na diocese de Bolívar, com o monsenhor Leonidas Proaño (1910 – 1988), um dos expoentes da TL, Teologia da Libertação (A TL é um dos tentáculos do comunismo dentro da Igreja Católica).

 

[...] Em 17 de abril de 1994, Lugo foi nomeado bispo da diocese de San Pedro, pelo papa João Paulo II, o qual depois teve de exortar não somente a ele, mas também a todos os bispos que estavam seguindo uma perigosa linha de pensamento contrário ao pensamento de Jesus Cristo.

 

Contaminado com as ideias socialistas recebidas no seminário, na faculdade, e pelo monsenhor Leonidas Proaño, Fernando Lugo admirador de Leonardo Boff e de Dom Hélder Câmara, fez amizade com o comunista brasileiro Frei Beto, com esta amizade anticatólica, se tornou ferrenhamente adepto da TL, Teologia da Libertação.

 

[...] Sem mais conseguir ouvir a Igreja a quem se uniu por juramento diante de Deus, Lugo lançou-se mais ainda dentro da politica com as ideias comunistas da Teologia da Libertação, por isso o Papa Bento XVI o suspendeu a divinis, que dizer, deixa de exercer as funções eclesiais embora ainda seja um bispo.

 

A emissora do Vaticano anunciou que o Cardeal Giovanni Battista Re, prefeito da Congregação para os Bispos, assinou o decreto que proíbe o bispo Fernando Lugo de exercer as funções de bispo.

 

[...] O bispo politico foi então aposentado como “bispo emérito” antes de ter idade para aposentadoria. O motivo segundo conversa dentro da Igreja, contudo não oficializado, é de que o bispo não deixando de seguir as ideias comunistas da TL, desobedeceu à ordem de abandonar a militância politica dada pelo Papa inimigo declarado da Teologia da Libertação. A conversa tem fundamento, pois os dois pontos onde o bispo estava sendo investigado e exortado pela Igreja, eram seu envolvimento com a politica comunista, e a quebra do voto de castidade.

 

[...] O senado destituiu o presidente Lugo do cargo por 39 votos a 4, no processo de impeachment que durou 36 horas. O vice-presidente Federico Franco assumiu a Presidência.

 

Os governos da Argentina, Venezuela, Equador, Chile, Bolívia, México e Peru criticaram o processo de impeachment [...]. A Alemanha e o Vaticano reconheceram o novo governo paraguaio.

 

O que o ex-bispo fará agora?

 

Ele se arrependerá de seus pecados? [...]

 

http://reporterdecristo.com/fernando-Lugo-uma-historia-de-fracassos-apos-fracassos-na-vida-religiosa-agora-como-politico-sofreu-impeachment/

 

 

O presidente do Paraguai, ex-bispo católico comunista Fernando Lugo, acaba de ser destituído do cargo pelo Parlamento.

 

É o Paraguai dando exemplo democrático para o mundo que chafurda no lodaçal politicamente correto, ecochato e comunista.

 

[...] O que fica muito claro é que os comunistas podem colocar suas barbas de molho porque Fernando Lugo é o primeiro esquerdista a ser apeado do poder por ser acumpliciado com os ditos movimentos sociais que não passam de pelotões de ataque à democracia e à liberdade.

 

http://aluizioamorim.blogspot.com/2012/06/fernando-Lugo-presidente-do-paraguai-e.html

 

 

Apostasia na Igreja e no Mundo

 

[...] Partidário da Teologia da Libertação, admirador de Leonardo Boff e de Dom Helder Câmara, simpatizante dos governos de Hugo Chávez (Venezuela), Evo Morales (Bolívia) e de Rafael Correa (Equador), o ex-religioso, de 56 anos, pendurou a batina no Natal de 2006 para disputar a presidência.

 

[...] Vários líderes empresariais o apontam como um esquerdista perigoso, que busca implementar um governo no estilo chavista. Lugo também coleciona desafetos no meio religioso, onde uma autoridade eclesiástica o descreveu, publicamente, como "um punhal cravado no corpo da Igreja", por sua rebeldia.

 

[...] Um dos muitos problemas que assolam a Igreja nos dias de hoje é a gravíssima heresia chamada “Teologia da Libertação”. Trata-se de uma heresia materialista, que apresenta uma visão de mundo contrária à Doutrina da Igreja disfarçada com um vocabulário aparentemente cristão.

 

Esta heresia é um dos muitos aspectos que tomou o modernismo, heresia que o Santo Padre Pio X qualificou de “síntese de todas as heresias”. Segundo o modernismo, a Verdade absoluta não existe; toda “verdade” é apenas uma opinião, uma visão pessoal que pode e deve mudar com o tempo. Assim, para o modernista, a Doutrina da Igreja, ensinada por Nosso Senhor Jesus Cristo, pode e deve ser substituída por algo mais... “moderno”.

 

[...] Do mesmo modo, o termo “Libertação” é por eles utilizado como significando algo diametralmente contrário à noção cristã de libertação.

 

[...] Devemos, portanto, procurar evitar ao máximo a leitura de livros e folhetos escritos pela TL, assim como procurar sempre impedir suas investidas em nossas regiões, principalmente através da oração. Alguns dos autores TL mais conhecidos são: Gutiérrez, Leonardo Boff (frade franciscano que apostatou, traiu seus votos e hoje vive com uma mulher casada), Frei Betto, Marcelo Barros...

 

http://www.rainhamaria.com.br/Pagina/4437/Fernando-Lugo-o-bispo-que-largou-a-batina-para-disputar-a-presidencia.

 

 

Carta aberta ao presidente Fernando Lugo

 

(D. Tomás Balduíno, com sua habitual parcialidade esquerdista, coloca-se do lado de Fernando Lugo, parabeniza-o, e coloca-se contra a Igreja Católica e o valente episcopado paraguaio, chamando-o implicitamente e hipócrita, omisso e moralista. É a regra moral dos esquerdistas: condenar a priori os opositores, por mais santos que sejam, e auto-salvarem a si mesmos, ainda que sejam infiéis e escandalosos).

 

Este texto introdutório à carta de solidariedade de Dom Tomás Balduíno, conhecido Bispo comunista defensor da Teologia da Libertação, nos foi mandado antes que se conhecessem novos casos de paternidade episcopal do Bispo Comunista Lugo, agora Presidente do Paraguai. [...]

 

http://www.montfort.org.br/old/index.php?secao=veritas&subsecao=politica&artigo=fernando_Lugo&lang=bra.

 

 

Em que pese a estúpida pressão dos comunistas latino-americanos até mesmo de idiotas europeus, o novo governo democrático do Paraguai, ao que tudo indica, repetirá o episódio de Honduras: resistirá e não permitirá nunca mais os comunistas no poder.

 

Até agora Fernando Lugo perdeu todas. Os comunistas estão levando uma sova de democracia no Paraguai. O novo presidente revela calma e garante o calendário eleitoral.

O caso do Paraguai é emblemático e pedagógico. Mostra claramente o nível do arreganho comunista. A bandalha fincou suas garras sobre o continente latino-americano e se não houver resistência todo o continente será transformado numa grande Cuba onde a liberdade irá para a lata do lixo, como já ocorreu na Venezuela, Bolívia e Equador.

É vergonhoso que as grandes democracias do mundo desenvolvido estejam rastejando sabujas ante o movimento comunista internacional.

 

http://portal.capitanbadonews.com/internacionales/paraguai-resiste-bravamente-ao-ataque-comunistas/1428

 

 

Igreja Católica paraguaia pede a Fernando Lugo que renuncie

 

A Igreja Católica paraguaia pediu nesta quinta-feira (21) ao presidente Fernando Lugo que se retire do cargo antes da conclusão de um processo de impeachment contra ele.

 

[...] "Pedimos a ele com muita sinceridade e franqueza que renunciasse ao cargo para descomprimir essa tensão tão grande que estamos vivendo no Paraguai. A impressão é de que vai seguir aumentando", disse a jornalistas o bispo Claudio Giménez. Mas "ele se manteve firme em sua posição", garantiu. [...]

 

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2012/06/igreja-catolica-paraguaia-pede-a-Lugo-que-renuncie.html.

 

 

Lugo maculou a imagem da Igreja Católica, diz arcebispo que apoiou deposição no Paraguai

 

A relação do bispo emérito e ex-presidente paraguaio Fernando Lugo com a Igreja Católica sempre foi conturbada. Seguidor da Teologia da Libertação, formulação que une aspectos do marxismo à prática religiosa, a atuação militante de Lugo foi motivo de controvérsias com a cúpula da igreja de seu país.

 

[...] Após a destituição, a Igreja reconheceu o novo governo de Federico Franco, alegando que o ato foi constitucional, e até permitiu que ele tornasse protagonista da missa de São João, celebrada no dia seguinte de sua posse.

 

[...] Em entrevista ao UOL, o monsenhor Edmundo Valenzuela, arcebispo de Assunção e vice-presidente da Conferência Episcopal do Paraguai, afirmou que, com o escândalo da paternidade, Lugo maculou a imagem da Igreja Católica, embora, segundo ele, o episódio não tenha qualquer relação com a posição da Igreja diante da deposição.

 

[...] UOL - Na sua opinião, Lugo teve um julgamento justo, considerando a justiça dos homens e a divina?

 

Valenzuela - Ele como cidadão teve direito à sua palavra. Quando assumiu, aceitou respeitar a Constituição e a lei. Por que agora ele não aceita [a deposição]? [...]

 

http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2012/06/27/Lugo-maculou-a-imagem-da-igreja-catolica-diz-arcebispo-que-apoiou-deposicao.htm

 

 

O núncio da Igreja Católica no Paraguai, Eliseo Antonio Ariotti, disse neste sábado (23) que o novo presidente Federico Franco pode contar com o apoio dos católicos para exercer os 11 meses de governo que tem pela frente. Segundo ele, o país viveu momentos delicados, mas agora é tarefa de todos contribuir para a normalização da situação. [...]

 

[...] O arcebispo marcou para as 16h uma missa, na qual abençoará o governo Franco e vai ler uma mensagem do papa Bento 16 para o novo presidente. “Hoje, na Catedral, vamos rezar pela paz. Neste momento, estamos apoiando as autoridades do país”, ressaltou o religioso.

 

Franco é católico praticante e costuma ir à missa todo domingo de manhã. No primeiro dia como presidente empossado, ele agendou a reunião com o arcebispo no começo da manhã. [...]

 

http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2012/06/23/igreja-catolica-no-paraguai-apoia-novo-presidente-e-pede-justica-e-paz-no-pais.htm.

 

 

[...] Fernando Lugo, presidente do Paraguai, um dos governantes títeres do Foro de São Paulo – aliado intestino de Hugo Chávez, Evo Morales, Rafael Correa, José Mujica, Dilma Rousseff, Cristina Kirchner, Daniel Ortega e, mais ao norte, os irmãos Castro –, foi deposto num fulminante processo de impeachment em que quase a totalidade dos parlamentares paraguaios votou por sua deposição. O rito seguiu todos os ditames previstos na Constituição paraguaia, não feriu nenhuma lei, não recorreu a nenhuma ilegalidade ou ato ilegítimo, e foi motivado pelo desastroso governo promovido por Lugo. Para qualquer pessoa com um pouco de inteligência e perspicácia, esse evento deveria ser comemorado: o próprio povo paraguaio se afastou voluntariamente do Foro de São Paulo ao destituir do cargo, democrática e legalmente, seu mandatário comuno-bolivariano.

 

A reação de todos os governos do Foro do São Paulo foi, como era de se esperar, a mesma reação do sumo sacerdote ao ouvir Cristo Jesus dizer que era filho de Deus: rasgar as vestes, subir nas tamancas e exigir sua morte. O destempero foi instantâneo em diversos governos da região – inclusive no brasileiro. Gilberto Carvalho, o comunista que ainda se diz é católico e chefia a Secretaria-Geral da Presidência da República, foi categórico em classificar o impeachment de Lugo como “ruptura da ordem democrática”. A presidente Dilma Rousseff já se adiantou em cogitar a interdição do Paraguai nas próximas reuniões do Mercosul e do Unasul, impedindo que o novo presidente paraguaio, Federico Franco – que, ao contrário do ex-bispo Lugo, é um católico exemplar – participe dos encontros. Não seria de se estranhar, nesse clima, que uma ação conjunta de Uruguai, Argentina e Brasil para desestabilizar o novo governo fosse tomada para que, internamente, Fernando Lugo promovesse o caos visando à volta ao poder.

 

A despeito de tantas confusões e informações desencontradas, uma coisa é certa: a decisão tomada pelo congresso paraguaio é um refrigério de esperança no meio de um continente condenado.

 

http://www.midiasemmascara.org/artigos/governo-do-pt/13190-o-impeachment-de-Lugo-e-a-reacao-bolivariana.html

 

 



Toda a entrevista é muito boa e elucidativa do processo ocorrido no Paraguai, então segue:

 

Lugo maculou a imagem da Igreja Católica, diz arcebispo que apoiou deposição no Paraguai

 

A relação do bispo emérito e ex-presidente paraguaio Fernando Lugo com a Igreja Católica sempre foi conturbada. Seguidor da Teologia da Libertação, formulação que une aspectos do marxismo à prática religiosa, a atuação militante de Lugo foi motivo de controvérsias com a cúpula da igreja de seu país. [...] o ex-mandatário foi suspenso pelo papa Bento 16 por ato de rebeldia.

 

[...] Após a destituição, a Igreja reconheceu o novo governo de Federico Franco, alegando que o ato foi constitucional, e até permitiu que ele tornasse protagonista da missa de São João, celebrada no dia seguinte de sua posse.

 

Em entrevista ao UOL, o monsenhor Edmundo Valenzuela, arcebispo de Assunção e vice-presidente da Conferência Episcopal do Paraguai, afirmou que, com o escândalo da paternidade, Lugo maculou a imagem da Igreja Católica, embora, segundo ele, o episódio não tenha qualquer relação com a posição da Igreja diante da deposição.

 

Valenzuela considerou a deposição como um processo constitucional no qual a Igreja não poderia opinar. Disse também que era necessário buscar uma conciliação política no país, que só seria possível com a saída de Lugo.

 

 

Leia abaixo a entrevista:

 

UOL - A Igreja Católica concorda com a deposição de Fernando Lugo?

 

Edmundo Valenzuela - A Igreja acompanha a história do seu povo. Acompanha o processo constitucional do seu povo. [...].

 

UOL - Por  que então a Igreja pediu que Lugo renunciasse na véspera da abertura do processo de impeachment?

 

Valenzuela - [...] Não se justificava haver derramamento de sangue. Pedimos que ele renunciasse porque seria uma saída mais honrosa do que o impeachment. Seria um mal menor.

 

UOL - O que o senhor pensa da mensagem enviada por padres de Itapúa que consideraram a deposição de Lugo inconstitucional e antidemocrática?

 

Valenzuela - Não podemos opinar sobre a Constituição Nacional. [...] Com a saída de Lugo, será possível trabalhar com consenso político. [...]

 

UOL - Lugo prejudicou imagem da igreja em virtude dos filhos que foram concebidos durante seu sacerdócio?

 

Valenzuela - É mais que evidente que ele maculou a imagem da Igreja. Seus atos contradisseram o que ele abraçava. É uma situação difícil, são pecados, que necessitam da misericórdia e da compaixão de Deus, mas que repercutiu no nome da Igreja e dos bispos. Objetivamente, a Igreja é santa, com o Espirito Santo, com Cristo, mas os escândalos indicam que abandonamos a coerência de vida.

 

UOL - A saída de Lugo tem alguma relação com esse episódio?

 

Valenzuela - Não tem nenhuma relação. Ele saiu por mau desempenho do governo.

 

UOL - Nas ruas de Assunção, muitas pessoas parecem estar contra a deposição de Lugo. Se a Igreja acompanha a história do povo, por que não se opôs à destituição de um presidente eleito pelo voto popular?

 

Valenzuela - É muito difícil saber se foi oportuna ou não sua saída. A história se faz às vezes por passos inesperados. [...] A história nos indicará depois se o caminho foi correto.

 

UOL - Na sua opinião, Lugo teve um julgamento justo, considerando a justiça dos homens e a divina?

 

Valenzuela - Ele como cidadão teve direito à sua palavra. Quando assumiu, aceitou respeitar a Constituição e a lei. Por que agora ele não aceita [a deposição]?

 

UOL - A cúpula da Igreja Católica foi conivente com as ditaduras militares que ocorreram na América Latina. O senhor teme que, com a aceitação da saída de Lugo, se associe o papel cumprido pela Igreja agora e no passado?

 

Valenzuela - São situações históricas muitos diferentes. O contexto do Paraguai hoje não tem nada a ver com o passado. Esse novo contexto indica um desejo de maior governabilidade, um desejo de fazer um governo melhor. São situações muitos diferentes. O país quer seguir adiante, seguir a democracia. Processos semelhantes ocorreram em vários países do mundo. Cada país é autônomo e tem sua soberania sustentada em sua própria estrutura. A Igreja somente acompanha.

 

UOL - Como fica relação entre Lugo e a Igreja?

 

Valenzuela - Você tem que perguntar a ele. Ele é um cristão. Como presidente, ele participava da missa, confessava, comungava. Nesse sentido é amigável que continue assim.

 

 

noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2012/06/27/lugo-maculou-a-imagem-da-igreja-catolica-diz-arcebispo-que-apoiou-deposicao.htm

 


voltar

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória